Salvos por “Atajante”

Praça de Touros de Olivença – 1.º Corrida de Feira

Matadores:

Enrique Ponce

Antonio Ferrera

Julian Lopez El Juli

Ganadaria Garcigrande e Domingo Hernández

 

Praça cheia, tarde solarenga e muito ambiente, presença maciça de aficionados lusos, o que já nos vem habituando, naquele que é considerado o arranque oficial da temporada europeia.

Cartéis de figuras, ganadarias de categoria superior e uma praça normalmente pequena para tantos interessados.

Na primeira corrida do certame oliventino anunciaram-se Enrique Ponce, Antonio Ferrera e Julian Lopez El Juli para matar uma corrida de Garcigrande e Domingo Hernández, muito parelha, quiçá demasiado pesada para a praça, na generalidade desencastados e rachados, excecionando-se o segundo, Atajante.

O primeiro touro depois de duas voltas de campana ainda no capote de Ponce fez com que se parasse pronto não permitindo grande criatividade ao toureiro de Xiva, que baseou a sua faena em passes ajudando o oponente, evitando baixar a mão para que não caísse, tandas curtas de dois, três muletazos, sempre melhor pelo píton direito.

Faena rematada com muletazos de perna fletida, estocada certeira, que o touro teimosamente “tragou”, vendendo cara a morte.

Saludos.

A Ferrera tocou Atajante, quando ainda havia pessoas a entrar nos tendidos, a passar nos acessos e num burburinho normal mas cada vez menos aceitável de quem não cumpre horários, seguramente perderam a série de verónicas ligadas, todas com o selo de Ferrera, ganhando terreno para o centro do ruedo e touro sempre respondendo e investindo humilhado e distante dos enganos, embarcando-se muito cedo, terminando esta receção de boas vindas com um media imediatamente seguida da primeira explosão popular.

Conduziu o touro com chicuelinas andando até à jurisdição do picador, cumprindo a sorte com dignidade, empurrando e metendo as cordas.

Após ter sido discreta e profissionalmente bandarilhado, começou Ferrera sem experiências, pronto y en la mano, já dizia Maestro Antoñete, permitiu colocar touro e público com ele.

Tanda de derechazos profundos e lentos com Atajante sempre embarcado, fixo e pronto, investidas profundas que marcaram toda a larga faena.

Pelo lado esquerdo permitiu alguns enganchones de Ferrera, entendendo rapidamente que o píton era o direito, de curto, com distâncias, sempre fixo e sempre querendo bem investir, repito, com profundidade e com classe.

À medida que se fazia a faena subia igualmente a recetividade do público pelo touro e começaram a surgir as manifestações para indulto, Ferrera experiente usou-se dessa circunstância, dando tempos ao oponente e mostrando-o ainda mais, e Atajante respondia, crescendo e voltando a investir, as vozes cresceram, os lenços apareceram e a praça, na sua maioria, quis o indulto, concedido sem polémica, mas com demora, quando era essa a vontade.

El Juli não teve sorte na sua passagem por Olivença, o seu primeiro, terceiro da tarde, foi devolvido por lesão, saindo um sobrero maior, basto e desinteressado, com pouca força, a faena nunca chegou a romper, terminando com uma estocada no alto.

Saludos.

O quarto touro voltou a demonstrar pouca força, depois de dois tércios sem relevo, brindado ao público, Ponce tirou água de poço seco, com muita paciência e de um em um foi inventado faena, com tempos e pausas, câmbios de mão e remates com a esquerda. Pecou por ser demasiado longa, plena de técnica mas sem emoção, estocada e orelha premiando o labor e paciência.

Volta.

Voltou Ferrera inspirado e motivado pelo indulto, mas com menos touro desta vez, muito bem bandarilhado por Fernando Sanchez Martín, um terceiro de luxo, com honras de saludo montera en mano.

Brinde ao público e faena sem atingir as quotas da anterior, touro mais parado, menos colaborador e procurando desculpas para não investir.

Ressaltou a estocada distante e caminhando, outro selo deste Ferrera da atualidade, eficaz e aplaudida, premiada com orelha e volta ao ruedo.

O sexto não teve história, desinteressado, fugindo e manso, sem casta e sem vontade de investir, Juli tentou sacar dos seus conhecimentos e boa vontade, ainda pôs o que o touro não tinha mas foi sol de pouca dura, à primeira oportunidade procurava tábuas.

Estocada rápida e saludos.

Corrida desencastada no seu computo geral, boa vontade dos artistas embora claramente insuficiente perante a fraca contribuição dos astados.

Sem ovos não se fazem omeletes.

Quis o público salvar Atajante da morte e Atajante salvou-nos a todos de uma tarde enfadonha.

Artigos Similares

Destaques