Triunfa Salgueiro na ExpoMora

Crónica

A corrida inserida na ExpoMora 2019, teve uma boa moldura humana, sombra, e sol e sombra cheias, só o sol com mais locais vazios, compreensivo… O sol picava forte nesta bonita vila alentejana, situada em plena charneca decorada com sobreiros, açudes, barragens e fluviários que linda já com terras Ribatejanas. Tarde bem passada e entretida ontem domingo, numa corrida bem organizada pela dinâmica empresa de Caras.
Foram lidados cinco toiros de David Ribeiro Telles, todos negros de capa, bem apresentados, bonitos de cara, nobres, com classe, a virem a mais durante as lides, entregues, servido e de que maneira para o triunfo dos cavaleiros, apesar das más condições do piso da praça. Em segundo lugar foi lidado um bonito Sorraia, cardeno de capa também ele nobre mas a vir a menos com o decorrer da lide. O primeiro toiro da tarde da ganadaria Sorraia foi devolvido aos currais por apresentar visíveis dificuldades de locomoção.
Moura, teve lide brilhante no primeiro toiro, onde evidenciou a sua maestria em recortes, boa brega e ferros de emoção com a sua marca de sempre. Foi encontro do oponente, provocando-lhe a investida e quarteando-se sempre num palmo de terreno, cravando com emoção.
No quarto da tarde derramou maestria e embora mais complicada que a lide do seu toiro anterior, foi neste que Moura alcançou o seu maior triunfo, deixando ver, quarenta anos depois, toda a arte e toda a garra que permanecem intactas, sempre em crescendo na sua tauromaquia. Única!
Gilberto Filipe, teve duas lides de belíssimo nível! Onde pontificou a sua extraordinária equitação, esteve sóbrio na brega, brilhante a lidar e pôs emoção em todas as sortes. Cravou ferros bem desenhados e superiormente rematados. Finalizou ambas as lides com palmitos a pedido do público.
João Salgueiro da Costa, teve duas inspiradas actuações, sobretudo a segunda, de tom altíssimo e em que deixou sobressair o domínio, a arte e o absoluto controlo de todas as situações, a maestria do seu toureio que, tal como o de seu Pai, João Salgueiro, é um misto de classicismo e de momentânea inspiração e foi o que se viu na arena de Mora.
Esteve realmente fantástico, quer a lidar, a bregar, a recortar-se em pormenores de imensa arte e a cravar em sortes de muita emoção e reconhecido valor. Rematou ambas as lides com bons ferros de palmo.
Dois grupos em praça do distrito de Portalegre, Alter do Chão e Arronches. Por ter sido devolvido o primeiro toiro da corrida o Grupo de Forcados de Alter pegou primeiro, segundo e sexto… e os de Arronches os restantes.
Para a cara do primeiro toiro foi António Dias, dos Amadores de Alter, que por três vezes foi à cara do toiro. Sendo depois dobrado por António Proença, que consumou à sua primeira tentativa.
João Moreno, concretizou à primeira tentativa pelos de Alter.
O último toiro da corrida foi pegado pelos Amadores de Alter, à segunda, por Luís Eduardo.
Pelos Amadores de Arronches abriu a função Paulo Florentino, pegou este toiro à primeira tentativa.
Luís Marques, foi para a cara do quarto, à terceira tentativa.
Fábio Mileu, dos Amadores de Arronches, à terceira tentativa fechou a tarde para este grupo.
Dirigiu a corrida Marco Cardoso, assessorado pelo Médico Veterinário Dr. Feliciano Reis. 

Ultimos Artigos

Artigos relacionados