“O forcado está cada vez mais evoluído”

O cabo dos Forcados Amadores de Portalegre, Gonçalo Louro, contou à Tauronews como está a ser a preparação da temporada em que o grupo comemora as bodas de ouro. A corrida de Aniversário realiza-se em Portalegre.

O Grupo de Forcados Amadores de Portalegre, que comemora 50 anos esta época, já realizou “dois treinos e faremos o próximo no dia 6 de Abril”, revela à Tauronews o cabo Gonçalo Louro. O grupo tem “cerca de 10 jovens novos. Do que tenho visto estou agradado e tenho a destacar a afluência de jovens que decidiram experimentar/envergar por esta nobre arte de ser forcado. Ainda terão muito que aprender para que um dia possam alcançar o seu sonho mas cá estarei para os ajudar”, diz-nos Gonçalo.

Com a nova temporada ai à porta o grupo já tem “algumas corridas agendadas, neste ano tão especial para nós, a comemoração dos 50 anos do Grupo. Como já vem sido hábito, iniciamos a época no próximo dia 27 de Abril em Santo António das Areias, e no dia 6 de Junho actuaremos no Campo Pequeno. Iremos ter também a corrida de Aniversário que se realizará em Portalegre”, conta Gonçalo. E acrescenta: “Certamente teremos mais corridas, umas ainda por definir, e outras que não posso revelar. Aliás, este ano iremos realizar mais ou menos o mesmo número de corridas da temporada 2018. Perspectivam-se entre 10 a 15 corridas”.

Com o início de uma temporada de festa, o cabo não tem dúvidas que “as expectativas são sempre elevadas, ainda mais este ano, por ser a temporada de comemoração dos 50 Anos. Iremos manter as regras e os valores do grupo, andando com dignidade na festa e honrando a Figura do Forcado Amador”.

Para Gonçalo a “tauromaquia está viva e recomenda-se, ainda no passado dia 23 de Fevereiro (Dia da Tauromaquia), os aficionados mostraram no Campo Pequeno a prova disso mesmo. Pena, no nosso distrito, cada vez mais desertificado, existam inúmeras Praças de Toiros com óptimas condições e que ano após ano se mantém encerradas”, realça.

No que se refere ao papel do forcado, o cabo de Portalegre não tem dúvidas de que “o forcado está cada vez mais evoluído, o forcado treina mais, prepara-se fisicamente para os desafios, aperfeiçoa a técnica, procura conhecer mais o toiro, quer através de livros, quer através do saber dos forcados mais antigos”, desvenda.

Para este cabo que substituiu, há cerca de um ano, Francisco Paralta, “a experiência está a ser muito positiva. Amo este grupo incondicionalmente e quando me falaram na possibilidade de ser cabo abracei o desafio com todo o empenho e dedicação que me caracterizam. Sei que e uma posição difícil, de enorme responsabilidade, por vezes ingrata, mas acho que estou a altura do desafio e prometo desempenha-lo da melhor forma possível”, finaliza.

Fotos: Gentilmente cedidas pelo GFA Portalegre

Artigos Similares

Destaques