O bravo “Filigrana” pôs o triunfo nas mãos de Esaú Fernández 

Crónica

Com mais de metade da lotação autorizada e cumprindo sempre as medidas sanitárias, realizou-se este sábado em Ossa de Montiel a primeira do fim de semana taurino daquela localidade Manchega. Foram lidados seis toiros de Clotilde Calvo com ferro de Buenavista, bem apresentados, de jogo irregular, o sexto como sobrero. Primeiro, segundo e sexto a virem a menos com o decorrer das lides. Terceiro e quinto com boas condições de lide. E bravo premiado com a volta ao ruedo o quarto de nome “Filigrana”.

 

Esaú Fernández andou toda a tarde em plano vibrante; Até que durou o seu primeiro toureou por ambas as mão de forma parcimoniosa e templada pelos dois pítons. (estocada efectiva, uma orelha); O quarto dava pelo nome de Filigrana e era uma estampa de toiro, foi bravo, encastado e teve um piton direito de escândalo, pelo esquerdo tinha mais teclas mas também com qualidade. Boa faena de Esaú que chegou com força ao público, tandas em redondo largas e de mão baixa, embarcando as bravas investidas do toiro. ( Pinchazo, estocada e descabelho, duas orelhas).

 

Filiberto, embora tenha tentado por todos os meios, no seu primeiro, com pouca casta e falta de fijeza, pouco pode fazer. (estocada, ovação com petição de orelha); No quinto baixou a mão e aproveitou as vibrantes investidas do toiro, aqueceu as bancadas mas falhou a matar e perdeu algum troféu. (Ovação).

 

Mario Sotos, no 3º, executou uma labor com grande plasticidade, correu bem a mão e realizou uma faena com altos quilates. (Pinchazo, estocada caída, uma orelha)  Naquele que fechou praça Sotos, lidou um toiro muito a menos, andou com vontade de agradar e o público esteve carinhoso com ele, mas o falho a espadas privaram o Manchego de algum troféu (ovação).

 

 

Ultimos Artigos

Artigos relacionados