Nem sempre o que parece é…

Crónica

Nem sempre o que parece é…

  • 19 de junho de 2022, Ilha Terceira
  • Concurso de Pegas, Sanjoaninas 2022
  • Cavaleiros: Marcos Bastinhas, João Pamplona e Andrés Romero
  • Forcados: Tertúlia Terceirense, Aposento da Moita e Aposento de Turlock
  • Ganadaria: Casa Agrícola José Albino Fernandes
  • Direção de Mário Martins, assessorado por José Paulo Lima
  • Praça a 3/4 de lotação

O anunciado Concurso de Pegas e a presença de um curro de uma das mais populares ganadarias terceirenses, a Casa Agrícola José Albino Fernandes (JAF), foram aliciantes suficientes para que se registasse mais de 3/4 de entradas na Monumental “Ilha Terceira”. A tarde era de pegas! Uma pega começa com a viagem do toiro em direcção ao forcado e só termina quando o rabejador o larga, indo em direcção aos médios, não se resumindo “apenas” ao desempenho do homem da cara.

Na disputa pelo troféu estiveram os Forcados dos Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense (GFATTT), Amadores do Aposento da Moita e Amadores do Aposento de Turlock (Califórnia). Pelo GFATT foram solistas: Alexandre Vieira que numa boa pega, se fechou sem dificuldades, sendo ajudado com eficiência, estando de novo em destaque o primeiro ajuda Fernando “Mangueira”; João Vieira recebeu o oponente e, aguentando um embate violento, fechou-se à primeira com galhardia, estando bem o grupo nas ajudas. Pelo GFAAM, Tiago Valério concretizou à quarta tentativa, à meia-volta com o grupo a carregar, após três tentativas em que o toiro metia a cara cada vez mais alta; André Silva, à primeira, efectuou uma grande pega, trazendo o toiro toureado com as pernas e corrigindo o facto de este vir a ensarilhar durante a viagem. Ao bom desempenho, respondeu o grupo com uma ajuda eficiente. O GFAAT teve na cara David Martins que se mostrou um forcadão, à primeira, a concretizar o enlace e a aguentar duros derrotes após o toiro ter fugido ao grupo e quase o ter tirado da cara; Bryse Rocha saiu em maca, após quatro tentativas em que não conseguiu ficar na cara de um toiro que chegou quase “inteiro” à pega. Foi dobrado por Darren Mountain que, a sesgo, resolveu com o grupo carregado.

As lides equestres abriram a tarde com Marcos Bastinhas. O “Avestruz” (nº99, JAF, 503Kg) não comprometeu e, apesar de ter alguma dificuldade de locomoção no posterior direito, respondia bem aos cites, empregando-se. Bastinhas procurou desde cedo agarrar o público, desenhando uma lide de crescente entusiasmo na assistência, recriando-se com remates e adornos. O “Fumado” (nº129, JAF, 434Kg) foi esperado na porta dos curros. Durante a cravagem dos compridos foi evidenciando falta de força nos membros anteriores. O toiro era interessado e voluntarioso, mas perante as dificuldades evidenciadas, o de Elvas resolveu abreviar a lide, ficando o registo do par de bandarilhas cravado antes de recolher ao pátio de quadrilhas.

João Pamplona viu o primeiro do seu lote ser recolhido. Um bonito exemplar (nº132, JAF, 499Kg), que partiu uma haste ao embater na trincheira, quando era recebido de capote. Apesar de, por vezes, não ser possível, há que ter em atenção aos capotes que ficam estendidos nas tábuas após os bandarilheiros saltarem à trincheira. Lidou o “Subordinado” (nº133, JAF, 432Kg) que foi crescendo em comportamento, indo à luta e carregando nas reuniões, ainda que humilhasse pouco e se tapasse, metendo a cara alta. João lidou de forma alegre, ligando-se à assistência e ao toiro. Bem nas bregas e muito correcto nas cravagens, mostrou a verdade dos ferros ao estribo, ao contrário das cilhas passadas que muitas vezes iludem quem assiste. Não escapou a um violente toque aquando do 4º ferro. Diante do sobrero, o “Dormilão” (nº91, JAF, 437Kg) esteve igualmente em plano superior. O toiro foi a mais, passando de uma primeira fase em que não carregava para depois se alegrar nas sortes e procurar a montada após as mesmas. Lide paciente e em crescendo, animando o toiro, acordando-o e fazendo-o romper. Bregas cingidas, cravagens correctas e uma constante ligação aos “tendidos” fizeram com que saísse desta sua presença na Feira de 2022 em plano de triunfo.

O rejoneador Andrés Romero fez a sua estreia no redondel angrense, diante do “Zafreño I” (nº144, JAF, 445Kg). O toiro entregava-se apesar de distraído, pedindo que se ligassem mais a ele. Romero lidou ao estilo espanhol e sem comprometer. Destacou-se o seu 5º ferro curto. Baseou a sua presença em praça em adornos, que foram do agrado de todos aqueles que admiram alguns movimentos de equitação clássica e os ares altos efectuados pela montada. O “Chavito” (nº100, JAF, 463Kg) mostrou-se interessado nos primeiros momentos da lide, mas cedo se desligou, vindo a rachar. Lide esforçada por parte do ginete de Huelva, mas com pouca história. A partir de certo momento o toiro funcionou quase como uma tourinha, ficando a sensação de que terá havido um prolongamento de lide em demasia. Fica a cravagem do 6º(!) ferro com batida ao pitón contrário.

Voltando ao início, e porque era uma Corrida Concurso de Pegas, o júri, composto por um representante de cada um dos grupos em praça, decidiu atribuir o troféu a André Silva do GFAAM, pela pega efectuada ao 4º toiro da ordem. A reacção ao anúncio não foi consensual, sendo audíveis alguns protestos na assistência. Como diz o adágio: nem sempre o que parece é…!

Corrida dirigida por Mário Martins com acessória de José Paulo Lima. A abrilhantar, a Banda da Feira de S. João.

Ultimos Artigos

Artigos relacionados