Maestria de Salvador e garra de Rouxinol marcam tarde em Montemor

Crónica

Maestria de Salvador e garra de Rouxinol marcam tarde em Montemor

  • 29 de maio de 2022, Montemor
  • Corrida AGROVISUL
  • Cavaleiros: Rui Salvador, Miguel Moura e Luís Rouxinol Jr
  • Forcados: Montemor e Évora
  • Ganadaria: Partido de Resina
  • Direção de Agostinho Borges assessorado por Feliciano Reis
  • Praça a 3/4 de lotação

 

A Praça de Toiros de Montemor-o-Novo abriu hoje pela primeira vez as suas portas na Temporada 2022 para receber uma corrida de toiros que tinha como principal aliciante a presença de toiros da prestigiada ganadaria espanhola de Partido de Resina, que tinha estado pela última vez nesta praça a 5 de maio de 2007.

Cartel composto por Rui Salvador, que toureava pela primeira vez na presente temporada, Miguel Moura, que regressava às arenas após a lesão sofrida no princípio do mês na Palha Blanco e Luís Rouxinol Jr. No capítulo das pegas estiveram em praça os Forcados Amadores de Montemor e Évora.

A praça registou uma muito positiva entrada de três quartos fortes.

No princípio do espetáculo foi guardado um minuto de silêncio em memória de Joaquim Mira e Eurico Lampreia.

Dos campos de Sevilla vieram os seis toiros da Ganadaria Partido de Resina que saíram hoje ao ruedo de Montemor. Toiros díspares de apresentação, com destaque positivo para o quarto da ordem, um taco, muito bem rematado, que foi fortemente ovacionado assim que entrou em praça. Quanto ao comportamento não deram grandes opções aos toureiros. Distraído e andarilho o primeiro, encastado e a carregar forte após o ferro o segundo, melhor o terceiro, cumpriu de boa maneira também o quarto, manso o que fez quinto e de também complicado comportamento o último.

Rui Salvador abriu praça e foi montando um cavalo com o ferro de Pablo Hermoso de Mendoza que deixou dois bons cumpridos. Nos curtos o toiro foi bastante distraído e a atuação não rompeu. Aplaudo a decisão do cavaleiro em não dar a volta no final desta atuação, mesmo que concedida pela direção de corrida, num gesto de humildade daqueles que tanta falta fazem à festa. No quarto da corrida, de apresentação irrepreensível e cumpridor de comportamento, o cavaleiro de Tomar realizou uma grande faena. Após a cravagem regular dos ferros compridos, realizou uma faena pautada pela entrega e pela emoção. Na brega de preparação do segundo curto deu uma volta ao ruedo a ladear, com um remate por dentro de cortar a respiração. Olé toureiro! O quarto curto foi de nota elevada.

Miguel Moura não foi hoje bafejado pela sorte e teve que lidar o lote mais complicado da corrida. Veio com ganas e disso foram prova as duas magnificas sortes de gaiola com que abriu ambas as faenas, a toiros que não saíram francos, o que acresce a dificuldade da sorte. No seu primeiro cumpriu bem com a ferragem da ordem, em sortes a entrar pelo toiro dentro. No quinto, toiro com muito poucas condições de lide, fez o que pôde e realizou uma atuação digna.

Luís Rouxinol Jr. brindou a sua primeira atuação ao cavaleiro Luís Miguel da Veiga. Foi receber à porta dos curros o de melhor comportamento do curro espanhol. Realizou uma excelente lide em que aproveitou todas as virtudes do toiro. Na ferragem curta, montando o Jamaica, empolgou as bancadas. Bonito foi o remate do segundo curto. O terceiro ferro da ordem foi de escândalo, a dar vantagens ao toiro e a cravar ao estribo. Emotivo foi o recorte junto às tábuas com o toiro a colocar a cara por alto. Grande lide! No último da ordem esteve correto, mas prolongou em demasia a função. O toiro foi complicado e o jovem cavaleiro de Pegões esteve bem com ele. Deixou uma correta série de curtos, que apenas pecou por não ter terminado com um excelente curto, talvez o melhor da série. Insistiu em cravar um ferro de palmo, que acabou por não ficar.

No capítulo das pegas estiveram em praça os Forcados Amadorss de Montemor e de Évora, respetivamente capitaneados por António Pena Monteiro e por João Pedro Oliveira.

Pelos forcados da terra, Montemor, abriu praça José Maria Vacas de Carvalho que realizou uma boa pega à primeira tentativa. Vasco Carolino brindou a sua pega a Joaquim Capoulas, presidente da APORMOR. Esteve bem a citar, recebeu bem o toiro e concretizou uma excelente pega com uma grande primeira ajuda do cabo António Pena Monteiro. Francisco Borges fechou a atuação dos Amadores de Montemor com uma pega ao terceiro intento, após duas tentativas em que não conseguiu suportar os fortes derrotes.

Os forcados de Évora tiveram um duro confronto com os Partido de Resina em Montemor. José Maria Caeiro esteve encarregue de pegar o segundo da ordem. Consumou à quinta tentativa após sofrer violentos derrotes nas anteriores tentativas. António Prazeres não se conseguiu fechar ao primeiro intento. À segunda voltou a não conseguir suportar o derrote inicial. Ao terceiro intento, o toiro meteu a cara alta e o forcado ficou visivelmente maltratado. Mas porque os forcados são feitos de outra fibra, voltou à cara do toiro e acabou por consumar ao quinto intento. Fechou a tarde o cabo João Pedro Oliveira, que brindou a João Cortes e realizou uma grande pega à primeira tentativa.

A corrida foi dirigida por Agostinho Borges assessorado pelo médico-veterinário Dr. Feliciano Reis.

 

Ultimos Artigos

Artigos relacionados