Faltou história na tradicional Corrida da Feira de Maio

Crónica

Numa tarde em que o redondel “Dr Ortigão Costa” preencheu 3/4 de lotação, a mais castiça feira do Ribatejo, em Azambuja, festejou uma vez mais com a sua tradicional corrida.

Abrindo as cortesias com o bonito pasodoble “ La Entrada”, toda a Afición de Azambuja estava entusiasmada com a reaparição de Ana Rita.

Abriu funções o mais “velho” de alternativa, Marcos Bastinhas frente a um Toiro de Silva Herculano, Toiro este que desde cedo demonstrou falta de transmissão, bravura e casta. Cedo se “rachou”, Marcos teve uma lide digna sem a sua normal alegria. Cravou um palmo em terrenos cambiados com as mãos fora das rédeas, rematando com bonitos ladeios. No seu segundo do lote, recebeu sem os bandarilheiros. Deixou dois bons ferros curtos de poder a poder, a deixar vir o toiro a cravar ao estribo. Foi premiado com prémio da melhor lide.

Frente ao segundo Toiro, abriu com dois ferros compridos de poder a poder a cavaleira Ana Rita, de novo um Toiro e como de resto se viria a confirmar em toda a corrida, manso, sem ligação e com desinteresse.

Ana andou asseada, cumpriu e deixou um bom violino a este Toiro.

A jovem valorosa, no seu segundo oponente, apesar de um pequeno toque de saída, esta “enrraçou-se” e andou digna, cumpriu a função.  Bons apontamentos a rematar as sortes.

A fechar a terna o jovem Colombiano, Jacobo Botero, teve uma passagem naquela bonita vila muito digna. Quando os oponentes não ajudam, a disposição dos Toureiros também não chega. No seu primeiro esteve regular, acertado na cravagem da ordem e deixou bons momentos de ladeio. No seu segundo um bonito apontamento de saída, dobrou-se com o Toiro e deixou provavelmente o melhor ferro da tarde, mesmo que comprido.

No que toca às ramagens, os Amadores do Ribatejo andaram “limpos”. A primeira bem consumada e bem ajudada. As duas restantes falharam as ajudas e nos momentos de reunião os caras não estiveram bem!

Os Amadores de Azambuja os quais levaram o prémio de melhor pega, no geral tiveram uma prestação asseada, pena que falte mais rodagem e mais conhecimento, isto de pegar Toiros não é só citar e abraçar os “cornos do Toiro”. Há que parar, templar e mandar na cara do oponente!

Ribatejo – 1.ª Tentativa | 2.ª Tentativa | 3.ª Tentativa

Azambuja – 1.ª Tentativa (prémio melhor pega) | 3.º Tentativa | 3.ªTentativa

Finalizou assim uma tarde de 3H15 na arena de Azambuja, tarde sem história, fria, lenta, sem ritmo e sem pontos de interesse.

Quando faltam Toiros é impossível ver-se emoção na arena. Que Curro o de hoje, mas como se diz “os Toiros são como os melões”.

Uma observação, isto de “nos vestirmos de Toureiro tem os seus “qs”, um Bandarilheiro não pode nem deve de ser permitido o uso de um capote de paseo “arneado“ de oro (apenas para matadores), nem ainda sair em praça sem usar a castañeta (coleta). Brio meus senhores, tenham profissionalismo, não banalizem a festa!

Dirigiu com acerto o Director de Corrida, Lourenço Luzio.

 

Ultimos Artigos

Artigos relacionados