Vamos falar português: O Governo proibiu menores de 16 anos de assistirem a touradas. Ponto final!

Crónica

Ao escrever este artigo vou saltar aquela parte chata em que podia dizer que andei durante meses a avisar para tudo e mais alguma coisa e que não vi, nos moldes em que considerava necessário, uma resposta adequada do sector taurino à realidade política que lhe é adversa. É uma conversa para a qual não tenho a mínima paciência, embora como sempre digo, ao escrever isto, não estou a mandar recados a ninguém. É um desabafo de um aficionado.

Em vez disso vou explicar passo a passo, muito claramente, o que está em causa para que toda a gente perceba e nos deixemos cá de meia tintas.

A questão é a seguinte:

1 – Esta manhã, o Conselho de ministros aprovou um decreto-lei que altera a classificação etária para assistir a espectáculos tauromáquicos, fixando-a nos maiores de 16 anos.

2 – Com esta aprovação, isto quer dizer que antigamente podiam ir jovens a partir dos 12 anos, sozinhos, a uma corrida de toiros, e que agora só o podem fazer, também sozinhos, a partir dos 16.

3 – Isto significa que mesmo que quem esteja abaixo dos 12 anos possa ir a uma corrida de toiros se for acompanhado por uma pessoa mais velha, se em vez disso se dirigir sozinho, repito, sozinho, a uma bilheteira, já não o deixam entrar.

4 – Ora se assim é, tal consagração é uma proibição. Não venham uma vez mais querer tapar o Sol com a peneira dizendo que o que está em causa não é uma proibição, mas apenas uma alteração da classificação etária para se poder assistir a uma corrida de toiros.

5 – Ou então, se a isto quisermos chamar reclassificação etária, esta será uma reclassificação etária proibicionista. Logo, uma proibição. A proibição de jovens com menos de 16 anos poderem ir a uma corrida de toiros sozinhos como até aqui podiam.

Sabem, começo a ficar um bocado farto de sempre que algum agente político faz, promove ou aprova uma qualquer medida nefasta à festa, logo venha alguém dizer que não é bem assim ou que quem diz as coisas como elas são, é alarmista ou quer retirar qualquer partido que não positivo de uma realidade que está aos olhos de todos.

Ou acham que é uma grande vitória um jovem com 11 anos não poder ir a uma corrida de toiros sozinho, mas uma criança de 3 poder ir desde que acompanhada dos pais? Acham que vale a pena proibir uma criança com 3 anos de ir aos toiros sozinha quando por motivos óbvios ela nunca o poderá fazer?

Afinal de contas, acordamos de uma vez por todas e explicamos as coisas como elas são, ou vamos continuar a brincar à semântica? É que conversa de político socialista, que convenhamos, sei bem como se faz…

Pontos seguintes:

6 – O único passo que agora se poderá fazer para tentar travar esta medida é através da Assembleia da República. Os deputados terão de pedir que o decreto baixe ao parlamento para que seja votado.

7 – É expectável que os deputados o façam? É.

8 – O decreto pode ser chumbado e o assunto morrer por aqui? Pode.

9 – É expectável que este decreto seja chumbado? Não me parece, mas oxalá me engane.

Tudo isto porque este Decreto não é inocente. Nem no momento, nem no conteúdo. O Governo até pode vir dizer que “Esta medida surge na sequência do relatório do Comité dos Direitos da Criança das Nações Unidas de 27 de setembro de 2019, que defende o aumento da idade mínima para assistir a espectáculos tauromáquicos em Portugal”.

Mas não sejamos ingénuos. Isto são jogatanas de bastidores para que o Orçamento de Estado passe, no caso com o voto favorável do PAN, evitando-se assim uma crise política, a queda do Governo e novas eleições.

Torna-se cansativa esta tendência que o mundo dos toiros tem para tentar fugir à realidade. Está na hora de se explicar às pessoas o que está em causa e não ficarmos satisfeitos com interpretações semânticas que nos sejam mais cómodas em função deste ou daquele interesse.

Uma vez mais, alerto, saiam à rua!

 

Ultimos Artigos

Artigos relacionados