Superação e alguns rasgos de genialidade de Salgueiro na Palha Blanco

Superação e alguns rasgos de genialidade de Salgueiro na Palha Blanco

  • Encerrona de João Salgueiro da Costa
  • Palha Blanco, 30 de Setembro de 2022
  • Cavaleiro: João Salgueiro da Costa
  • Forcados: Santarém e Vila Franca de Xira
  • Ganadarias: Vinhas, Veiga Teixeira, Canas Vigouroux, Dr. António Silva, Palha e Passanha
  • Lotação a 1/3 de lotação
  • Direção de Tiago Tavares, assessorado pelo médico-veterinário Carlos Santos

A noite de 30 de setembro na Palha Blanco fica marcada pela superação e vontade de vencer de um toureiro, de um homem que sozinho se encerrou numa arena com seis toiros de seis ganadarias, seis encastes diferentes.

Em noite de aniversário, a Palha Blanco e João Salgueiro da Costa mereciam uma moldura humana diferente. Preencheram-se aproximadamente apenas 1/3 dos lugares da bonita praça de Vila Franca de Xira. Não foi certamente porque o cartel não merecesse a presença de público, mas a verdade é que o público não respondeu à chamada.

A corrida foi antecedida por um momento emocionante, uma procissão das velas acompanhada pela voz da fadista Teresa Tapadas que interpretou os temas “Avé Maria” e “Verde, verde campo”.

Após as cortesias, saiu à arena o primeiro toiro da noite, Mata Índia de nome, ferrado com o número 30, proveniente da Herdade do Zambujal. Justo de apresentação, foi um toiro de comportamento ideal para Salgueiro brilhar. Nobre, sempre pronto nas investias, arrancando sempre para os ferros com alegria e transmissão. João Salgueiro da Costa abriu a função de forma de forma algo irregular, alternando dois corretos compridos com duas passagens em falso. Subiu de tom na ferragem curta e a lide chegou ao exigente público da Palha Blanco. Esteve bem a cravar, rematando as sortes de forma extraordinária, dobrando-se magnificamente com o oponente. Foi, quizá, a lide mais redonda da noite de Salgueiro.

Em segundo lugar foi lidado o toiro da Ganadaria Veiga Teixeira, proveniente da Herdade de Pedrógão, ferrado com o nº 749. Toiro de comportamento diferente do anterior, mais duro e exigente, encastado e com transmissão nas investidas. Não foi tão pronto como o toiro anterior, indo a menos com o decorrer da função. O cavaleiro solista da noite realizou uma lide correta, com abordagens corretas ao oponente. Teve o mérito de se adaptar às características do oponente e lidá-lo com dignidade.

O terceiro da noite, da ganadaria Canas Vigouroux, foi talvez o que menos condições de lide demonstrou, não sendo o melhor colaborante para a atuação de João Salgueiro da Costa. O cavaleiro abreviou a função, resultando a prestação digna.

Transposto o festejo, saiu à arena o toiro da ganadaria Dr. António Silva, o melhor da noite. Foi bravo, perseguiu o cavalo com nobreza na medida certa. Pelo seu comportamento foi aplaudido na recolha aos currais, sendo que não seria despropositada a atribuição de volta ao ganadero. Salgueiro esteve solvente com ele, realizando uma lide marcada por ferros de bom efeito, magnificamente rematados. A brega foi o ponto maior de uma lide que chegou ao público, que durante toda a noite acarinhou o toureiro pelo seu gesto.

Já diz o ditado que “no hay quinto malo” e o vindo da Herdade da Adema cumpriu de boa maneira com o seu papel. Transmitiu emoção, foi encastado e de arrancadas prontas. João Salgueiro da Costa realizou uma lide que foi a mais, terminando com aquele que foi o momento da noite. Toiro fechado em tábuas, o cavaleiro dá-lhe distância, perfila-se de praça a praça, parte para o toiro, fazendo uma paradinha a curta distância, o toiro arranca e Salgueiro deixou um grande ferro, que fez levantar o público presente na Palha Blanco. Olé!

Fechou a noite o toiro da Ganadaria Passanha, nobre, com mobilidade, pecando somente por alguma falta de transmissão. Abriu a função com um ferro em sorte de gaiola, num ferro que resultou cingido, com o toiro a adiantar-se à montada, aumentando o mérito da sorte. Nesta sua última lide, o cavaleiro realizou novamente uma lide que foi a mais, terminando, à semelhança da anterior prestação, com um grande ferro, fechando assim de boa maneira a noite.

No capítulo das jaquetas de ramagens, estiveram em praça os Grupos de Forcados Amadores de Santarém e de Vila Franca de Xira.

Pelos Amadores de Santarém, abriu praça Caetano Galhego, que concretizou com mérito ao primeiro intento. Francisco Cabaço sentiu bastantes dificuldades em levar de vencido o seu toiro, concretizando a função ao quarto intento. Francisco Paulos encerrou a prestação do seu grupo com uma boa pega à segunda tentativa.

Pelo grupo da terra, Rodrigo Andrade consumou uma boa pega à primeira tentativa. Também Lucas Gonçalves consumou ao primeiro intento. Fechou a noite Rafael Plácido com uma boa pega consumada ao segundo intento.

Dirigiu a corrida com correção o delegado técnico Tiago Tavares, assessorado pelo médico-veterinário Dr. Carlos Santos e pelo cornetim José Henriques.

Foto: Tauroleve

Artigos Similares

Destaques