Sociedade das Nações

Badajoz, Feira de São João, 3.ª de Feira

Mano a mano Joselito Adame – José Garrido

Ganadaria de El Torréon

Das três tardes, a última, com uma entrada de cerca de 4.000 pessoas, foi a que menos público registou, tarde cinzenta e surpreendentemente fresca, o que mesmo assim pouco influenciou nas entradas.

Corrida de El Torréon, propriedade do Matador de Touros Colombiano César Rincón, muito séria, pesada e com trapío, para um mano a mano mexicano-espanhol.

O primeiro, um animal reservado, discreto em varas e bandarilhas, na muleta metia-se pelo pitón direito, Adame entendeu e construiu a faena sobre a mão esquerda, alguns naturais templados, num animal com pouca força, como aliás os restantes cinco. Estocada e saludos para o toureiro de Aguascalientes.

O segundo, um touro bem feito, depois de tércio de varas e bandarilhas, rápido, sem perder tempo, destacando um par de Manuel Lários, era um touro com fijeza, pouca força quando se lhe baixava a mão, mas com boas investidas por ambos os pitons, com distância, sempre melhor que nas cercanias, Garrido, talvez por estar mais confiado nas proximidades, foi-se arrimando, fazendo com o touro perdesse as mãos, pela exigência do toureio em circular e com menos pausas. Este animal pedia tempos e distância, só assim não protestava e se descompunha e também não perdia as mãos. No final e nas bernardinas, Garrido é volteado com aparato, sem outras consequências, após estocada e aviso caiu a primeira orelha da tarde.

O terceiro foi um touro bem lidado desde o princípio, com um tércio de bandarilhas abrilhantado por Fernando Sanchez Martín, caminhando com a sua torería, o que o obrigou a agradecer montera en mano.

Adame esteve sóbrio, num touro mais colaborador por ambos os lados, depois de estocada certeira e rápida, cortou orelha, ovação para o touro no arraste e volta ao ruedo.

No quarto Garrido não teve muitas opções, faena sem grande impacto, ovação para Garrido após estocada.

O quinto, um jabonero bem feito serviu para Adame mostrar a sua tauromaquia, mais uma vez ovacionada a quadrilha após o tércio de bandarilhas, sem perder tempo Adame soube tirar partido, nos médios, de um animal nobre, que repetia embora sem grande transmissão, boa série de derechazos e novamente outra estocada certeira que lhe garantiram duas orelhas e Porta Grande. Ovação no arraste para o touro.

No sexto Garrido não queria perder a partida e sair de vazio, começou a faena de joelhos, toureando em circular com a mão direita, muito templado e seguro, depois desta tanda o touro foi a menos e Garrido espremeu o que ali restava de investidas, meia estocada, ovação no arraste para o touro e orelha para Garrido, assegurando a saída em ombros ao lado de Adame.

A última da feira de Badajoz, na forma de sociedade das nações taurinas, foi uma tarde agradável, de pormenores, muito por culpa do encerro de El Torreón, enviado pelo colombiano Rincón, da vontade e disposição do mexicano Adame e da entrega e valor do espanhol Garrido.

Artigos Similares

Destaques