Samora Correia, 7 maio | Entrevista a Marcelo Mendes

No próximo dia 7 de maio, sábado, celebra-se o regresso dos toiros a Samora Correia, numa corrida integrada na Semana Taurina, que conta com a presença do cavaleiro Marcelo Mendes.

 

TN: Marcelo, o compromisso de 7 de maio, em Samora Correia, é o seu primeiro compromisso da temporada de 2022?

MM:  Não, a minha temporada, felizmente, já começou mais cedo. Toureei em Barrancos e Sousel.

 

TN: Será a primeira vez que atua em Samora Correia? Se não, o que gosta em particular de tourear em Samora, ou da sua afición? Se sim, o que espera que seja essa corrida inserida na Semana Taurina de uma das mais aficionadas terras portuguesas?

MM: Toureei há uns anos em Samora, é uma zona do país muito aficionada, terra de gentes ligada ao gado, à agricultura, campinos, por todo o lado existe alguém que tem um cavalo, ou uma vaca brava, são entendidos e exigentes   pessoas que pessoalmente admiro pelos seus princípios e pelos valores que passam aos mais novos, fui sempre recebido como um de lá, e no sábado é para com eles o meu compromisso é por eles que tenho a obrigação de deixar tudo dentro da arena.

  

TN: Como se tem preparado para esta corrida? E como vê a diversidade de cavaleiros e estilos presentes neste cartel?

MM: A preparação é com o empenho e a exigência comigo mesmo e com os cavalos, de sempre.

Penso que os cartéis de 6 cavaleiros têm essa variedade que muitos dos aficionados gostam, e até para nós essas corridas trazem nas oportunidades para tourearmos mais vezes, os cartéis de 3 cavaleiros, andam muito à volta do mesmo, torna se mais difícil para alguns entrarem, como é o meu caso.

  

TN: E sobre novidades… há cavalos novos? E onde mais, esta temporada, poderemos ver o Marcelo a tourear?

MM: Não tenho cavalos novos, mas penso que tenho os velhos em boa forma.

Depois de Samora, saio nessa noite para a Califórnia para tourear lá dia 9, depois tenho na Benedita a 12 de junho e penso que mais algumas que não devo ser eu a adiantar.

 

TN: Uma última questão – o que espera da corrida? E que mensagem quer deixar aos aficionados para que venham a Samora? 

MM: Espero uma corrida competitiva, as oportunidades são tão poucas que quando surgem temos de arriscar e tourear como se fosse a última vez, vejo desta forma.

Os touros estão muito bem apresentados como é comum na ganadaria do Sr. Alves Inácio, pessoalmente gosto de touros que andem, que apertem, espero que possam sair com essas características para que essa emoção chegue a bancada.

Gostava que os aficionados de Samora enchessem a praça que para nós lá dentro é esse o grande impulso que nos galvaniza para os triunfos, da minha parte podem contar com toda a minha entrega e respeito por eles.

 

Obrigada pela disponibilidade e toda a sorte para este início de temporada, que começa a 7 de maio em Samora Correia.

Artigos Similares

Destaques