Lotação esgotada para homenagear Filipe Oliveira

  • Azambuja 2 de Junho 2019, Feira de Maio, A mais castiça do Ribatejo
  • Cavaleiros: João Moura, Rui Salvador, Gilberto Filipe, Manuel Telles Bastos, Nelson Limas e Manuel Oliveira
  • Forcados: Amadores de Azambuja, Aposento da Chamusca e Cartaxo
  • Ganadaria: Passanha

16h30 é colocado na bilheteira o anúncio de praça esgotada e à hora marcada o Diretor de corrida Lourenço Luzio assessorado pelo Dr. José Lourenço, dão inicio ao espetáculo, com um ambiente nunca antes visto na praça da nossa terra.

 

Corrida de homenagem póstuma ao aficionado Filipe Oliveira, irmão do maestro Manuel Jorge de Oliveira, e pai dos Bandarilheiros Joaquim Oliveira e João Oliveira. Ilustre aficionado Azambujense e membro da direcção da afamada Associação Poisada do Campino de Azambuja

 

O Maestro João Moura director de lide, abriu praça perante um toiro Passanha, demasiado dulce onde cumpriu a papeleta mediante a pouca colaboração do oponente, sendo o último curto o melhor da faena.

 

Saiu para lidar o segundo da ordem Rui Salvador, que comemora o seu trigésimo-quinto aniversário de alternativa. Rui esteve bem na ferragem comprida, com o destaque na segunda tira. Na ferragem curta, entendeu o colaborante oponente da Herdade da Pina, estando a gosto e rematando com dois curtos com o toiro debaixo do braço. Sendo também homenageado no intervalo da corrida com uma placa comemorativa aos seu aniversário.

 

Manuel Telles Bastos saiu para a lide do terceiro da tarde. Teve uma tarde regular, com bons apontamentos com o cavalo com o ferro de Pablo Hermoso, no remate da lide no entanto com alguns toques e algumas passagens em falso.

 

Após o intervalo, sai à arena Gilberto Filipe que lidou um bravo de Passanha, levando o toiro sempre para os médios, lidando de verdade. Carregou as sortes ao piton contrário, com a bandarilha a cair na vertical e ao estribo. Boa actuação por parte do cavaleiro do Montijo.

 

O praticante Nelson Limas, apoderado pelo Azambujense António José Matos, andou esforçado notando-se pouca rodagem. Recebeu alguns violentos toques na montada, perante o toiro mais bravo da corrida, que se arrancava pronto e de largo. Ficando na retina o segundo curto, mandando o toiro vir de praça-a-praça e cravando com verdade.

 

Fechou a corrida, o praticante Manuel Oliveira, filho do cavaleiro Azambujense Manuel Jorge de Oliveira e sobrinho do homenageado Filipe Oliveira. Manuel andou com vontade e desenvoltura durante a lide do último da corrida, que colaborou para uma lide limpa, gostamos particularmente dos dois ferros a sesgo, com o cavalo a sair de terrenos apertados com demasiada facilidade.

 

Para pegar o 1º da tarde, apresentou-se os Amadores de Azambuja, grupo que se encontra em renovação, e que nesta tarde contou com a presença de vários antigos elementos fardados. Luís Silva, que havia sido cabo no início do ano 2000, saindo a cabo neste dia, chamou a si a responsabilidade para abrir praça. Sublinhamos o gesto que teve depois de retirado, mas as coisas não lhe correram de feição, após 2 tentativas onde a inexperiência do grupo e as faculdades físicas do cara não ajudaram acabou por ser dobrado por Valter Soares à 4ª tentativa. Ismael do Grupo salta para pegar o quarto da ordem, pega à primeira tentativa com o grupo a não dificultar nas ajudas.

 

Pelos Amadores do Aposento da Chamusca, saltou para a pega João Rui Salgueiro, a fazer as coisas bem feitas, desde o cite, ao carregar, a alegrar a investida e a receber o toiro, que mostrou as boas qualidades demostradas na lide e deixou-se ajudar, sem criar demasiados problemas para o grupo. Pelos Amadores do Aposento da Chamusca, Francisco Andrade resolveu à terceira com as ajudas carregadas. Francisco Andrade não entendeu o toiro, e apenas à terceira com as ajudas carregadas conseguiu resolver. Na primeira o toiro salta-lhe para cima faltando provavelmente aguentar um pouco mais um toiro, na segunda não consegue reunir em condições e na 3ª resolve.

 

Pelos Amadores do Cartaxo, perfilou-se para pegar Miguel Afonso à primeira tentativa. Nem toiro nem forcados complicaram, pega fácil e eficaz. A fechar a corrida, José Ribeiro acaba por ser dobrado na 1ª tentativa após lesionar o braço, devido a uma deficiente reunião consequente de uma patente falta de “rodagem”. É dobrado por Emanuel Loto, que incrivelmente, sem saber sequer meter o barrete consegue reunir com o toiro que nem uma “lapa” e concretizar a pega.

 

Foram vencedores dos trofeus o praticante Manuel Oliveira, podendo também levar para casa Rui Salvador e Gilberto Filipe. Na pega não houve dúvidas e o prémio recaiu sobre a 2ª da tarde do Aposento da Chamusca, João Rui Salgueiro. A melhor recolha a cavalo dos campinos foi de Alexandre Ganhão e José Lopes ao quinto da ordem.

 

Uma última palavra para a empresa promotora do espectáculo que esgota a Praça de Toiros de Azambuja, Dr. Ortigão Costa, após vários anos de casa mais fracas.

Foto: União Tertúlias de Azambuja

 

Artigos Similares

Destaques