Indulto histórico de Diego Ventura (com vídeo)

As lágrimas a correr no rosto de Diego Ventura e a voz embargada provam a entrega absoluta do rejoneador.

Bombom, com que recebeu o toiro de garrocha à porta gaiola, Sueño, Gitano nas bandarilhas e Dólar a terminar, foram, com Diego Ventura, verdadeiros autores de uma lide histórica que fez levantar da bancada o público emocionado da monumental praça de toiros mexicana.

Uma faena que foi sempre crescendo à medida que Ventura descobria a extraordinária qualidade do toiro de Enrique Fraga, “Fantasma” – um jabonero ferrado com o n.º 82 e que foi indultado – levado aos curros, com arte pela muleta de Diego Ventura, enquanto na praça entoava “torero, torero”.

 

E se o momento já arrepiava a pele, mais emocionante se tornou ao ouvir as palavras de Diego Ventura, que de lágrimas no rosto e voz embargada recordou momentos duros, como a perda de uma montada e aqueles em que não se sentia compreendido pelo público e os amigos lhe diziam, que o esforço que o faz trabalhar dia após dia, todos os dias, seria recompensado. Mas nunca imaginou que conquistaria algo com esta dimensão.

Por fim Diego Ventura não quis sair em ombros da praça México, por respeito a “El Payo” que alternava nesta tarde com o rejoneador e que sofreu uma cornada e recolheu à enfermaria.

Veja:

Artigos Similares

Destaques