Há que ter fé…

2ª Corrida integrada na Feira Nacional da Agricultura e Feira do Ribatejo

Praça de toiros: Monumental Celestino Graça, lotação 11 mil espectadores

17 de Junho 2017, às 18h

Temperatura à hora da corrida: 44º

Corrida mista: Luis Rouxinol, João Moura Caetano, Grupo de Forcados Amadores de Santarém e Juan José Padilla. Toiros de Cunhal Patrício, Paulo Caetano e Guiomar Cortes Moura

Director de corrida: Sr. Lourenço Luzio

 

Confesso que não tinha programado ir a esta corrida.

Não porque tivesse muito para fazer, mas as previsões de temperaturas muito altas na minha cidade tinham relegado essa hipótese para algo de muito pouco provável de suceder. Não tinha a ver especificamente com o cartel, mas unicamente por causa do calor e das suas consequências.

Entretanto o Francisco Mira ligou-me a propor um desafio… que gostava muito que eu fizesse a crónica visto ser de Santarém e ser o meu Grupo também a pegar. Não sou cronista nem tenho ambições a isso, mas sou incapaz de deixar de aceitar estes desafios por serem na minha terra e com o meu Grupo de Forcados Amadores de Santarém. Por isso Francisco aqui vai!

 

Sou Scalabitano com muito orgulho e até costumo dizer que não há ninguém que goste mais de Santarém que eu. Sou um verdadeiro apaixonado pela minha cidade mas às vezes sinto que o retorno falha… que a cidade não trata bem os seus, que há respostas que ficam sempre aquém das expectativas e então nestas andanças dos toiros…

Isto tudo para vos transmitir a minha decepção quando percebi que a nossa Monumental Praça, nem 2000 espectadores teria no Sábado passado (17 JUN). Tal como foi decepcionante constatar, que o cartelaço de Sábado, dia de Portugal (10 JUN), ficou pelas 6000 pessoas. Saúdo os empresários pela corajosa Feira que montaram, mas efectivamente houve aqui qualquer coisa que falhou. Esperar adesão em duas corridas mistas é “puxar” muito pela sorte e pelos aficionados desta cidade. Na minha opinião, uma das duas datas teria que ser uma corrida à Portuguesa… mas isto é apenas a minha opinião!

Continuo a achar que a Praça de Santarém pela sua capacidade (a maior de Portugal), permite ter uma politica de preços low-price para quase todos as corridas que aí pudessem vir a ser montadas. Por preços a €5 (sol), €10 (sombra-sol), €15 (sombra alta) e €20 (sombra) poderá ser uma fórmula de sucesso para se ter casas mais compostas e sem por em causa aspectos de tesouraria.

Algo está mal, algo terá que ser feito nem que para isso se mude alguma coisa. Santarém não pode continuar de costas voltadas para a Praça de Toiros. A Celestino Graça, não pode num ano ter cartéis de arromba e no ano seguinte fazer uma corriduxa numa época inteira. A Praça merece que tratem dela de outra forma, que a requalifiquem, que a modernizem e que sirva fundamentalmente para voltar a acolher enchentes como no passado. A Praça merece e os aficionados também. Há que ter fé!

 

1º Toiro da ordem

Cunhal Patricio (490 kg)

Luis Rouxinol

O Luís Rouxinol cumpria em Santarém 30 anos de alternativa tirada nesta mesma praça. O seu 1º toiro da ordem (Cunhal Patrício), ligeiramente bisco e manso, não facilitou em nada a lide do cavaleiro, tendo sido necessário a cravagem e passagens a sesgo para o tirar das tábuas onde procurava constantemente refugio. Rouxinol com o labor que lhe é reconhecido, trouxe o toiro para os médios mas nem aí teve mais sorte já que o toiro não andava e muito menos investia. Cravou a ferragem da ordem e saiu de praça

Grupo de Forcados Amadores de Santarém (4ª tentativa) do Cunhal Patrício

Para a pega saltou o forcado Salvador Ribeiro de Almeida.

O grupo ficou encostado bem lá atrás às tabuas, enquanto o forcado de cara citava o toiro de largo. O toiro arrancou e despachou o forcado com a cara muito levantada. Na tentativa seguinte, o toiro ficou colocado nas tábuas e foi necessário entrar nos terrenos do toiro. O toiro arrancou muito violento e o forcado foi novamente despejado. O toiro foi pegado à 4ª tentativa.

Volta para o cavaleiro.

 

4º toiro da ordem

Guiomar Cortes Moura (545 kg)

Luis Rouxinol

No seu 2º toiro do lote, um de Guiomar Cortes Moura, com 545 kg, o mais pesado e o único com 5 anos, tentou dar outro caminho à lide, já que o toiro parecia dar sinais de maior mobilidade inicial. Cedo se acabou o gás. O toiro começou a parar e com isso veio um acréscimo de trabalho para o ginete, que conseguiu dar a volta por cima do toiro, mostrando porque é que continua a ser um dos cavaleiros que mais corridas lida por época. Cravou curtos de compromisso, um ferro de palmo e o já tradicional par de bandarilhas a rematar a lide.

Grupo de Forcados Amadores de Santarém (1ª tentativa) do Guiomar Cortes Moura

Forcado de cara: Lourenço Ribeiro

Com o grupo encostado novamente às tábuas, o Lourenço manda vir e fecha-se com decisão num derrote levantado. Grande 1ª ajuda do Manuel Lopo de Carvalho e restantes elementos do grupo a responderem bem.

Volta merecida para o cavaleiro, forcado da cara e para o 1º ajuda

 

2º Toiro

Cunhal Patrício (520 kg)

João Moura Caetano

O João marcou a sua presença em Santarém, com uma porta gaiola arrojada ao seu 1º do lote.

Consegue trazer o toiro na garupa do cavalo até ao centro da praça, conseguindo cravar aí sem deixar que o toiro descaísse. Mas o de Cunhal Patrício, tal como o irmão de camada, estava mais preocupado com as tábuas do que propriamente com o que ia decorrendo à sua frente e tendencialmente procurava refúgio onde se sentia mais comodo. Nas tábuas. A lide seguiu sem grandes alardes, mas sempre correcta e na exacta medida daquilo que o toiro também dava.

Grupo de Forcados Amadores de Santarém (1ª tentativa) Cunhal Patrício

Forcado de cara: David Inácio.

Mostrando bastante serenidade, o David arrancou uma bela pega, trazendo o toiro toureado e secundado por uma óptima 1ª ajuda do Manuel Lopo de Carvalho. Os restantes elementos do grupo a fecharem muito bem.

 

5º Toiro

Paulo Caetano (540 kg)

João Moura Caetano

Pareceu-me ser o melhor toiro da corrida… a acudir de todos o lado, alegre, disponível, atento ao que se passava. Quanto à prestação, acho que podia ter feito melhor com este toiro, deixa-lo nos médios e vir embalado pra cima dele, parece-me a mim que é um figurino que às tantas está gasto. Soube-me a pouco, apesar de ter registado curtos com muito valor… João, aquele último ferro fora de tempo, já não vem acrescentar nada à lide!

Grupo de Forcados Amadores de Santarém (3ª tentativa) Paulo Caetano.

Forcado de cara: António Taurino.

O toiro arrancou a ensarilhar e o forcado não percebeu o que se passava. Ficou inicialmente de chocalho e acabou por sair. Esta pega foi consumada à 3ª tentativa.

Volta para cavaleiro e forcado

 

3º e 6º toiro da ordem

Juan Jose Padilla

Decidi juntar as 2 lides do Juan Padilla numa só crítica. O Padilla personifica para mim aquilo que de melhor tem um profissional: abnegado, valente, obstinado. E isto porque efectivamente o Juan Padilla é um caso único e que resultará certamente em lides de sucesso como já presenciei. A forma como ele chega ao público, é qualquer coisa de extraordinário. De capote, bandarilhando, de muleta, de rodillas, o Padilla tira tudo o que um toiro pode dar. Se calhar por isso leva tanta cornada.

No 2º toiro (Paulo Caetano) e tal como o outro toiro desta ganadaria, Padilla teve a matéria-prima que precisava para ter sucesso redondo. Alem de ter toureado magistralmente de capote e muleta, a colocação de bandarilhas e os desplantes que apresentou completam o sucesso e tornam-no ainda mais visível. Recebeu música nos 2 toiros, assim como foi premiado no primeiro com 2 voltas à praça. No segundo e derradeiro momento, Padilla foi agraciado com uma saída pela porta grandes, ficando bem patente o quanto o povo Scalabitano gosta dele.

Artigos Similares

Destaques