Em Terra de Cortiça, por ocasião da FICOR

Crónica

Como já vem sendo tradicional, a empresa de Caras Tauromaquia organizou na Monumental do Sorraia, em Coruche, por ocasião da FICOR – Feira Internacional da Cortiça, um embate de luxo, entre os jovens triunfadores da época passada, na mesma praça, Francisco Palha e Luís Rouxinol Jr, frente a um poderoso curro de Palhas, que foram pegados pelos Grupos de Forcados Amadores de Lisboa e Coruche, capitaneados respectivamente por Pedro Maria Gomes e José Macedo Tomás, que disputaram o Prémio Carlos Galamba, para a melhor Ajuda.

Quando se cuida da promoção de um festejo, com os cuidados necessários, realçando os atrativos que um espetáculo desta natureza, pode proporcionar, a quem acorre às suas bancadas, normalmente, mesmo em tempo de crise, o público corresponde e foi o que aconteceu ontem em Coruche, onde a resposta foi uma excelente entrada, que preencheu cerca de três quartos do tauródromo sorraiano.

Os exemplares da ganadaria Palha, bem apresentados com pesos entre os 509 e os 610 quilos, foram logo no campo, divididos em dois lotes, para mais tarde na praça se proceder ao sorteio, como manda o regulamento, depois foi aguardar pelas cinco da tarde, para presenciar o evoluir do comportamento dos referidos murlacos, dentro da arena. Em minha opinião cumpriram na generalidade, criaram algumas dificuldades aos lidadores no capítulo da ligação, destacando-se pela positiva os lidados em terceiro, quinto e sexto lugar. O sexto toiro inutilizou-se logo após a saída à arena e já com um ferro colocado, apesar da não obrigatoriedade do regulamento em substituir a rês, a empresa, para não defraudar quem acorreu à sua praça, autorizou a saída do primeiro toiro sobrero.

Francisco Palha, teve uma tarde redonda, começou bem no que abriu a corrida, superou-se no que lidou em terceiro lugar e fechou bastante bem, no quinto, o tal dos 610 quilos. Sortes diversas, brega apurada e boas reuniões, foram a receita a que o publico correspondeu com largas ovações. Gestos especiais, como é seu timbre, no caso do brinde do que abriu a corrida em que se apeou da montada, para bridar a faena ao ex forcado Rui Godinho (Peitaça), que se havia despedido dos Amadores de Coruche, na passada época. Como prémio deu volta à arena em todos os toiros lidados.

O jovem ginete de Pegões, Luís Rouxinol Jr. não teve a sorte do seu lado, no lote que lhe calhou, mesmo assim, procurou a perfeição na execução das sortes, lidando a preceito, para chegar ao publico. No segundo da ordem, o objetivo foi conseguido, todavia, no lidado em quarto lugar sofreu alguns toques que o conclave não gostou e o Diretor não perdoou, não lhe concedendo a volta ao ruedo, no final da lide. No que encerrou a sua participação, esteve francamente bem, executando uma lide acertada, com ferros de várias marcas, onde não faltou um bom par de bandarilhas a duas mão e o palmito, para fechar em beleza.

A competição entre os dois Grupos de Forcados, os Amadores de Lisboa e os de Coruche, em tarde de homenagem, ao forcado Carlos Galamba, que se destacou em ambos os grupos, como um extraordinário Ajuda e cujo prémio em disputa, levava o seu nome, para a Melhor Ajuda, colocou ao júri, composto pelo próprio Carlos Galamba, acompanhado por Tiago Prestes e José Fernando Potier, uma árdua tarefa.

Pelos Amadores de Lisboa, chefiados por Pedro Maria Gomes, foram solistas, João Galamba Jr. que em tarde de despedida, na sua terra natal, não teve a sorte desejada, pois apenas ao quarto intento, logrou consumar rijamente a sorte, mesmo assim premiado com volta à arena. Duarte Mira, no terceiro da ordem, adiantou-se na primeira tentativa, vinda a consumar estoicamente à segunda vez, prontamente ajudado pelo grupo. Encerrou a participação do G F A Lisboa, João Varanda de Carvalho, ao quinto, o toiro mais pesado, à primeira tentativa, em que encheu a cara ao toiro e suportou uma viagem rápida, até tábuas, eficazmente ajudado por todo o grupo em praça. Destaque especial, para a participação do rabejador Renato Avelar em todos os toiros.

Pelos Amadores de Coruche, a jogar em casa, perante o seu publico, tiveram uma brilhante prestação, assim abriu a função o cabo José Macedo Tomás, numa pega emotiva à primeira tentativa. Para pegar o quarto, foi destacado o jovem Fábio Casinhas, que se fechou com galhardia e suportou a dureza do Palha, quando este foge ao grupo, contudo, resistiu e consumou também à primeira. A fechar a atuação da rapaziada de Coruche, coube também ao jovem João Ferreira, que tem pegado em todas as corridas em que o grupo participou, tentar a sorte, na primeira vez o adversário entrou com brusquidão pelo meio do grupo, acabando por derrotar tudo e todos, todavia, à segunda tentativa, com mais determinação das ajudas, foi possível consumar uma vistosa e dura pega de caras.

O prémio em disputa, foi entregue ao forcado João Laranjinha, dos Amadores de Coruche, que no entender do Júri, foi o que reuniu melhor pontuação, no conjunto das intervenções.

Dirigiu com acerto o senhor João Cantinho, assessorado pelo médico veterinário Dr. José Luís Cruz e pelo cornetim José Henriques. Abrilhantou o espetáculo a Banda da Sociedade Instrução Coruchense.

Ultimos Artigos

Artigos relacionados