Em Almeirim, Luís Rouxinol Jr. triunfou por uma causa maior

A Arena de Almeirim abriu ontem pela primeira vez as suas portas na temporada 2024 para receber uma corrida que tinha diversos motivos de interesse. Foi esta a primeira das corridas que o Maestro Pablo Hermoso de Mendoza realiza em Portugal nesta que é a sua temporada de despedida das arenas. Além disso, e como desde sempre acontece, a tauromaquia voltou a ser solidária e a afición esgotou a lotação do tauródromo almeirinense. Fruto do bom trabalho de Rui Bento Vasques e da Santa Casa da Misericórdia de Almeirim, foram angariados 33 255 euros para as causas sociais da Santa Casa.

No que à parte artística do espetáculo diz respeito, confrontaram-se em praça diferentes estilos de toureio e uma mescla de maestria e juventude.

Abriu praça António Ribeiro Telles diante de um bonito exemplar de Varela Crujo ao qual faltou chama e transmissão nas investidas. António Telles recebeu-o de boa forma e deixou um bom segundo ferro comprido. Na ferragem curta deixou a ferragem, alternando algumas passagens em falso.

Diante do seu segundo, o exemplar da ganadaria Passanha, um toiro reservado e que esperava no momento do ferro, António Telles não teve certamente a lide sonhada. O toiro não facilitou e as montadas não colaboraram da melhor forma, tendo a função decorrido sem brilhantismo. No final, reconhecendo que não triunfou, entendeu não dar volta ao ruedo embora a mesma tivesse sido autorizada. Bonito gesto!

O rejoneador Pablo Hermoso de Mendoza teve ontem a sua primeira atuação em Portugal nesta temporada de despedida. Lidou em primeiro lugar o bonito toiro de Dr. António Raul Brito Paes, um exemplar que não transmitiu e ao qual faltou entrega. Depois de deixar a ferragem comprida, Pablo Hermoso fez parecer fácil tudo o que fez na arena, terminando a função com um bom quinto ferro curto.

Em segundo lugar enfrentou o exemplar de Ribeiro Telles, que foi algo reservado e não teve chama. O Maestro de Navarra esteve em bom plano, sobretudo na ferragem curta, montando o Berlín, com o qual cravou ferros de bonito efeito que chegaram ao público. Nota positiva ainda para a forma como rematou o primeiro curto, chegando com força às bancadas. Terminou a função com um bom ferro curto e uma pirueta no remate.

Completou a terna Luís Rouxinol Jr., que viu nesta corrida a oportunidade ideal para reiterar que quer ser figura do toureio e que merece estar nos cartéis de competição. Recebeu à porta gaiola o primeiro exemplar do seu lote e meteu desde logo o público no bolso. Foram várias voltas à arena com o toiro a perseguir com pata, tendo cavaleiro e cavalo aguentado estoicamente a investida do oponente. Deixou um bom segundo comprido e partiu para uma série de ferros curtos montando o Girassol. Esteve bem a bregar, a cravar e a rematar as sortes. A atuação decorreu em tom crescendo, tendo epílogo num bom ferro de palmo, rematado de forma soberba. Tocou-lhe em primeiro lugar o exemplar de Ascenção Vaz, que teve mobilidade, duração e transmitiu.

Fechou a corrida um toiro de Romão Tenório, nobre, voluntarioso mas algo distraído, que pediu distâncias curtas e ligação. Luís Rouxinol Jr. esteve bem com ele, sobretudo na ferragem curta. Cravou uma boa série de ferros curtos destacando-se os remates das sortes, que levantaram o público dos assentos. Tarde bastante positiva do cavaleiro de Pegões!

No capítulo das pegas estiveram em praça os Grupos de Forcados Amadores da Chamusca, do Aposento da Chamusca e do Cartaxo.

Pelos Amadores da Chamusca abriu praça o cabo Nuno Marecos que concretizou ao segundo intento. Mário Duarte consumou também à segunda tentativa a pega ao quarto toiro da ordem.

Pelo Aposento da Chamusca o cabo João Saraiva concretizou uma boa pega ao segundo intento, depois de não se ter conseguido fechar na primeira tentativa. Vasco Coelho dos Reis realizou a pega da tarde ao quinto da ordem ao primeiro intento, suportando uma viagem longa.

Pelos Amadores do Cartaxo Bernardo Sá concretizou à primeira tentativa a pega ao terceiro da ordem. Fechou a tarde Vasco Campino que viu o toiro “perder as mãos” na primeira tentativa. Consumou à segunda tentativa contanto com boa ajuda do grupo.

A corrida foi dirigida por Marco Cardoso, assessorado pelo médico-veterinário Dr. José Luís Cruz.

Artigos Similares

Destaques