Domingo de Páscoa em São Manços, p’ra manter a tradição!

Crónica

Praça de Toiros José Jacinto Branco, Domingo de Páscoa, 1 de Abril de 2018, na bonita e aficionada vila de São Manços, terra “torista” e onde o trapio é exigência do público.

Anunciava-se um grandioso Concurso de Ganadarias com toiros de Palha, Veiga Teixeira, Cunhal Patrício, Fernandes de Castro, Jorge Carvalho e Canas Vigourox para serem lidados por Francisco Palha, Miguel Moura e Luís Rouxinol Jr., ficando as pegas a cargo dos Grupos de Forcados Amadores de Évora e dos locais de São Manços.

Com 3/4 da lotação preenchida, iniciou a tarde Francisco Palha, a quem tocou em sorte o negro de Fernandes Castro com 530kg, de boa apresentação e que viria a ser premiado com essa distinção.

Tendo saído com pata e codícia, o toiro empurrou Francisco Palha contra as tábuas logo de saída, causando-lhe momentos de aflição. O cavaleiro deixou-lhe dois ferros compridos para de seguida trocar de montada, tendo colocado dois ferros a câmbio, sendo colhido no segundo sem gravidade. Foi ainda trocar de montada para deixar mais 4 curtos ao som de música, numa lide em que procurou lidar o oponente que veio de mais a menos.

Para abrir o capítulo das pegas, saltou à praça o Grupo de Forcados Amadores de Évora que, por intermédio de João Madeira, concretizou à quarta tentativa.
Nas três primeiras, o toiro meteu o píton direito e o forcado não reuniu da melhor forma.

Cavaleiro e forcado não deram volta á arena no final.

Miguel Moura recebeu o toiro de Jorge Carvalho, anunciado com 580 kg, montado no Xarope, com que deixou dois compridos. O toiro cedo descaiu para tábuas na zona dos curros, tendo revelado alguma querença apesar da qualidade de investida. Montado noutro cavalo, Paim, entusiasmou no segundo câmbio, tendo sido colhido no quarto. Fechou com um palmo que deixou após duas tentativas, sofrendo toque na montada.

Para a pega, pelo Grupo de São Manços, Rui Pelado consumou uma rija pega à primeira tentativa, bastante aplaudida, tendo rabejado com garbo o veterano Pedro Fonseca.

Cavaleiro e forcado deram volta ao som de música.

Luís Rouxinol Jr. recebeu montado no Aquiles o toiro de Veiga Teixeira, com 620 kg, sendo este o mais pesado da tarde. Colocou três compridos no negro que revelou bastante codícia e mobilidade. No mesmo cavalo, iniciou a ferragem curta, tendo depois trocado de montada, vindo no Girassol (ferro Alves Dias) com que colocou três curtos, sendo que no segundo, num gesto tremendista com o touro colocado em tábuas, Rouxinol Jr. arriscou a colocação do ferro sendo colhido.

Pelos Forcados de Évora, Miguel Direito, após brindar aos antigos cabos, na primeira tentativa não reuniu da melhor forma. Na segunda adiantou-se, tendo consumado a pega à terceira. Rabejou o veterano Manuel Rovisco com distinção.

Luís Rouxinol Jr. deu volta sozinho.

Francisco Palha abriu a segunda parte da corrida para lidar o colorau Canas Vigourox que foi anunciado com 600 kg. Colocou dois compridos com alardes de galope ladeado. Já montado no Roncalito, deixou cinco curtos de boa nota de batida ao píton contrário.

Pelo Grupo de São Manços, Jorge Valadas, após brinde ao público, consumou à primeira tentativa.

O quinto da ordem, um toiro de Palha com 470 kg, saiu à arena para ser lidado por Miguel Moura, que, novamente no Xarope, parou-o de saída, colocando-lhe dois ferros compridos. Mudou de tércios e de montada para deixar cinco curtos e um de palmo numa lide que resultou discreta.

O Grupo de Évora, por intermédio de Ricardo Sousa, consumou à primeira tentativa sem dificuldade.

Cavaleiro e forcado deram volta ao som de música.

Luís Rouxinol Jr. brindou ao coudeleiro Manuel Paim e montado no Barilu executou uma vistosa sorte de gaiola ao negro de Cunhal Patrício, com 550 kg, que saiu encastado e perseguiu a montada com ímpeto, causando alvoroço na praça, a que se seguiu forte ovação. Após deixar outro ferro comprido, foi buscar o Amoroso e em cite terra-a-terra deixou o primeiro de três curtos, a que se seguiram dois de palmo, sendo o último colocado a sorte de “violino”.

Encerrou o capítulo das pegas o Grupo de São Manços por intermédio do cabo João Fortunato que, após brindar ao fundador do seu grupo, Francisco Pereira, foi à cara do astado. Na primeira tentativa, após uma boa reunião, o toiro ao afocinhar na viagem tirou o forcado da cara, tendo consumado com eficácia à segunda.

Os prémios de bravura e apresentação em disputa nesta tarde foram atribuídos aos toiros de Cunhal Patrício e Fernandes Castro, respectivamente.

Dirigiu a corrida o Director de Corrida Agostinho Borges, assessorado pelo médico veterinário Dr. Matias Guilherme nesta tarde de Domingo de Páscoa, em que se cumpriu a tradição.

Ultimos Artigos

Artigos relacionados