Crónica Domingo de Páscoa em São Manços

Domingo de Páscoa é em São Manços, se há um ano atrás esta data foi cancelada em virtude das condições atmosféricas, desta vez pelo mesmo motivo mas em pólos opostos foi adiada em 30 minutos e bem devido ao forte calor que se fazia sentir. Tarde de muito calor e com meia casa forte a organização da corrida tentou reunir todas as condições para que São Manços fosse praça cheia, e está de parabéns por isso mesmo, três cavaleiros jovens de dinastia cheios de ganas de triunfo, um curro de toiros superiormente apresentado e dois grupos de forcados vizinhos que disputaram o prémio para a melhor lide a cavalo e melhor grupo em praça respectivamente.

Iniciou a tarde Marcos Bastinhas com um Teixeira a acusar na balança 570kg, toiro com codícia e colaborante serviu para que o cavaleiro natural de Elvas conseguisse uma boa lide, com ferros de boa nota e terminando com um bom par de bandarilhas. No seu segundo perante um imponente toiro de António Lampreia com 630kg, resultaram algumas boas bregas mas ficando apenas na memória um bom último par de bandarilhas, considerando nós que o astado oriundo do Monte de Nossa Senhora esteve por cima do cavaleiro, foi franco, de investida fácil e a sair de vários terrenos, embora viesse a menos com a continuação da lide este toiro reunia condições para que a lide resultasse com mais som.

Para o segundo da tarde saiu o benjamim da casa Moura, pela frente teve um Lampreia com 580kg voluntarioso, Miguel Moura arrisca no seu primeiro curto com um câmbio em curto mas faltou toiro na reunião, Miguel conseguiu cravar ferros de muito boa nota em sortes cambiadas sendo o terceiro aquele que primeiro chegou às bancadas e o último o mais sério, pena consentir um toque na montada, boa lide do cavaleiro de Monforte a mostrar ao que vinha. No seu segundo um Teixeira de 620kg com deficiências de visão, pouco colaborante e que não permitiu o triunfo tão desejado, esteve regular e correcto.

Luís Rouxinol jr começa a mostrar que podemos estar perante um caso, depois de triunfar em Ourique surge em São Manços para triunfar e a verdade é que triunfou. Saiu-lhe em sorte um Lampreia de 625kg a impor respeito, emotivo e muito cumpridor, o cavaleiro vindo de Pegões após uma boa série de compridos foi buscar o Douro e armou o taco, após um primeiro curto menos conseguido foi sempre a mais, no seu segundo curto entusiasmou as bancadas com um ferro de muito boa nota e excelente brega, seguiram-se ferros de verdade numa lide onde o toiro foi efectivamente lidado cumprindo todos os tempos do toureio, sempre muito ligado ao seu imponente, terminou com um palmo de grande nota, excelente actuação. No seu segundo a coisa não resultou como gostaria, um Teixeira com 560kg mas escasso de forças limitou-se a cravar a ferragem da ordem sem chegar ao público, lide regular.

Na competição no que às pegas diz respeito o grupo da casa levou a melhor. Para o primeiro da tarde Dinis Caeiro iniciou o cite bonito, com garbo e com o grupo a dar vantagens ao toiro, a reunião resultou dura mas o forcado aguenta toda a viagem na cara do oponente com o grupo a ajudar bem destacando-se uma boa primeira ajuda de Miguel Saturnino. Para o terceiro António Alfacinha manda para a cara do Lampreia Rui Gomes, na primeira tentativa com o grupo a dar vantagens o forcado não aguenta a viagem por baixo e sai, na segunda tendo que pisar os terrenos do toiro não se “saca” e adianta-se sendo imediatamente desfeiteado, na terceira tentativa e já em curto a reunião resulta deficiente consumando à quarta com ajudas carregadas. No quinto e último toiro sai para a cara do tal mal visto Ricardo Sousa, a primeira tentativa a dar vantagens resulta muito rija com o toiro a empregar-se e a despachar o forcado, na segunda tentativa nova reunião brusca com o toiro a derrotar forte, sentia-se na praça que Ricardo Sousa não se dava de forma alguma por vencido, na terceira dá tudo para ficar na cara mas não consegue, o cabo e bem mostrando seriedade e respeito pelo público mandou repetir e à quarta foi de vez com ajudas carregadas.

Pelo grupo de São Manços abre o cabo a dar o exemplo aos seus homens e pega à primeira tentativa com uma boa primeira ajuda, com o grupo a não dar muitas vantagens ao toiro, para o quarto da tarde salta a trincheira Jorge Valadas, com o grupo a dar vantagens o toiro sai a mandado mas não humilha na reunião resultando esta dura, após fazer a viagem por baixo o forcado acaba por sair já no seio do grupo, a segunda tentativa resulta novamente alta e brusca com o forcado a lutar para ficar na cara do toiro, desta vez conseguiu e o grupo fechou bem. Ao sexto e último toiro bate as palmas José Quintas, forcado ainda novo de idade, franzino mas que os 560kg do Teixeira não assustaram. Na primeira tentativa o forcado teve que entrar nos terrenos do toiro, este sai mas a reunião resulta dura e deficiente com o forcado a “não sacar-se” o suficiente saindo de imediato, na segunda tentativa e com as ajudas mais em curto a pega é efectivada com o grupo a ajudar bem.

Pela crónica é fácil de perceber que os triunfadores da tarde foram Luís rouxinol jr e o grupo de forcados local, recebendo os prémios em disputa, melhor lide e melhor grupo em praça respectivamente. Na competição entre Teixeiras e Lampreias, a ganadaria oriunda de Aljustrel levou a melhor superiorizando-se não de uma forma destacada aos astados enviados pelo Sr. António José da Veiga Teixeira. Dirigiu a corrida o Sr. Agostinho Borges coadjuvado pelo Dr. Matias Guilherme, decorrendo esta em bom ritmo sob as notas musicais da banda de Nossa Senhora de Machede.

Artigos Similares

Destaques