Cortes vai dar que falar

Por Miguel Ortega Cláudio

Cortes vai dar que falar

  • Granja, 12 de fevereiro de 2022
  • Festival Taurino de Beneficência
  • Ganadaria: Silva Herculano
  • Cavaleiros: Sónia Matias | Ana Batista | Ana Rita | António Prates | António Núncio | Francisco Cortes
  • Forcados: São Manços | Póvoa S. Miguel | Monsaraz
  • Direção do Sr. Domingos Jeremias, assistido pelo Sr. Matias Guilherme
  • Praça a 3/4 da lotação

Os cascos dos cavalos voltaram a ressoar no pátio de quadrilhas este sábado 12 de Fevereiro do ano 22, desta vez na Granja pelo São Brás. Com uma boa entrada de público três quartos de praça.
Longe vão ficando as tertúlias do defeso, a temporada está em marcha e daqui até Novembro os sonhos de miúdos e graúdos, o cheiro de uma tarde de toiros, os capotes e muletas, cavalos, barretes, a musica festiva, os aplausos para o toureiro e forcados vão fazer parte da vida dos que gostam desta nossa Festa. Ser figura do toureio é muito difícil, quase um milagre, a prova encontra-se numa escola taurina de cada mil alunos, apenas três ou quatro chegarão à meta desejada… Quis a empresa fazer um misto no cartel, senhoras com provas dadas e reconhecidas ao longo dos anos Sónia Matias, Ana Batista e Ana Rita, uma jovem promessa do toureio António Prates, um cavaleiro praticante às portas da alternativa António Núncio e um cavaleiro amador que irá dar muito que falar Francisco Cortes. E a tarde foi entretida.

A capacidade de surpreender. É uma das condições básicas que o toureiro deve ter para entrar no lugar tão esperado e abstruso que é o recanto imóvel da memória. E hoje o Francisco Cortes ficou na minha memória, por vontade, disposição, e ganas de fazer o bem feito. A história da tauromaquia registra uma série de nomes que se repetem constantemente como paradigmas do que há de novo, deslumbrante e incrível, ou como portadores daquela centelha de gênio que os diferencia de outros congêneres e Cortes hoje foi isso. Cravou com verdade, bregou bonito e foi a jovialidade do toureio da nova geração.

Foram lidados cinco toiros e um novilho bem apresentados. De jogo variado, o de pior condição foi o primeiro. Segundo veio a menos. Disponível e com mobilidade o terceiro. Bom o quarto que mereceu a volta do Ganadero. A menos o quinto. O que fez sexto um bonito burraco teve bom comportamento.

Abriu praça Sónia Matias, numa lide irregular, vindo a mais cravando os ferros com desenvoltura. Rematado a função com violino de boa nota.

Ana Batista tentou sempre fazer o bem feito. Cravou os ferros com preceito. O primeiro comprido de boa nota e segundo curto superior. Boa lide.

Ana Rita, andou alegre, cravou um segundo comprido de nota. O primeiro curto foi um grande ferro, a brega foi bonita e a lide resultou. O público gostou e não lhe regateou aplausos.

António Prates, teve uma brega exuberante e de nota, cravou ferros de bonito efeito, com batida ao piton contrário. Boa lide, com o público a gostar do viu.

António Núncio, teve uma passagem pela Granja de mais a menos por alguma culpa do oponente. Os compridos foram de boa nota. Depois o toiro veio a menos e Núncio teve que bregar muito para poder cravar os ferros.

As pegas tiveram a cargo dos Amadores de São Manços, Póvoa de São Miguel e Monsaraz.

Abriu praça João Amador à terceira tentativa. O quarto por Alexandre Rocha à segunda tentativa.

Pela Póvoa de São Miguel, foram caras Rui Casca à primeira tentativa, numa das pegas da tarde. António Banha à terceira tentativa.

Pelos de Monsaraz abriu a tarde, Hugo Beato à segunda tentativa. Fechou a corrida Miguel Valadas à segunda tentativa, numa boa pega a suportar os derrotes do oponente.

Foi director Domingos Jeremias e médico veterinário Matias Guilherme.

Artigos Similares

Destaques