As estatísticas do Campo Pequeno na Temporada dos 125 Anos

O Director de Actividades Tauromáquicas do Campo Pequeno, Rui Bento, em entrevista à Revista Aplausos, que a Monumental de Lisboa recebeu 57.000 espectadores durante a Temporada de 2017, o que representa um aumento de 4% relativamente ao ano passado.

Segundo Rui Bento, a taxa de ocupação média por espectáculo anda na casa dos 78%, valor muito semelhante ao registado na temporada passada, ano em que se realizou mais um espectáculo do que este ano — realizaram-se em 2017 doze espectáculos e em 2016 treze.

Quanto ao número de abonados, que este ano teve o seu maior aumento desde a reinauguração da praça, este continua a ser relativamente baixo comparado com a capacidade total da praça de toiros — neste momento, existem 630 abonos vendidos para um total de 9.000 lugares. Sobre isto, Rui Bento argumenta que “as pessoas têm receio em abonar-se porque realizamos muitos espectáculos no Verão, altura em que muita gente sai da cidade de férias”.

Para Rui Bento, um dos objectivos primários da tauromaquia em Portugal é a redução do IVA, que neste momento se encontra fixado em 13%, muito por força das entidades ligadas ao meio taurino que se debateram contra o desejado aumento para a taxa máxima de 23% — “agora queremos lutar para que o IVA desça para 6%, como acontecia no passado”.

O Campo Pequeno, que este ano comemorou o seu 125.º Aniversário, esgotou por três vezes — a 19 de Abril, na Corrida de Inauguração da Temporada e com cartel formado por João Moura, Juan José Padilla e Andrés Roca Rey; a 18 de Agosto, com a Corrida Comemorativa dos 125 Anos da Praça de Toiros e de cujo cartel faziam parte novamente João Moura, António Ribeiro Telles e Luís Rouxinol; e no Encerramento da Temporada, a 12 de Outubro, com a tradicional Corrida de Gala à Antiga Portuguesa.

No entanto, houve outras corridas que a empresa esperava que tivessem mais público e que não sucedeu — foi o caso do mano-a-mano entre Pablo Hermoso de Mendoza e José María Manzanares a 13 de Julho. Sobre este aspecto, Rui Bento reconhece à Revista Aplausos que “o Campo Pequeno não soube ainda aproveitar o potencial turístico que Lisboa agora oferece, vêm aqui imensas pessoas mas não sabemos como as levar aos toiros”.

Sobre a próxima Temporada, Rui Bento admite que a solução poderá passar pela diminuição do número de espectáculos: “Devemos organizar menos corridas nos meses de Julho e Agosto, fazendo espectáculos quinzenalmente e não todas as semanas, porque nessa altura há menos público potencial. Temos de nos adaptar, realizar menos espectáculos no Verão e dar mais corridas em Abril-Maio e Setembro-Outubro. A Praça do Campo Pequeno trabalhou de uma determinada maneira ao longo de trinta ou quarenta anos, mas hoje a realidade é outra e temos de mudar; e essa mudança será para melhor”.

 

 

 

 

 

 

Fotografia: Sofia Almeida

Ultimos Artigos

Artigos relacionados