Há que parar-lhes na frente!

“Era um toiro difícil. (…) Difícil e baixel… Devias tê-lo despachado. – Os toiros – respondeu, encarando-me – não são para despachar, mas para tourear. Há que parar-lhes na frente.” Do ensaio “Sombra e Sangue”, diálogo entre o Maestro José Júlio e o escritor Alves Redol, num hospital de Sevilha após o primeiro ter sofrido…